Share |

Inscrições abertas para a Feira de Talentos

Postado em Assessoria de Imprensa

Funcionários de todas as unidades da Fundação Estatal de Atenção Especializada em Saúde de Curitiba (Feaes) podem expor seus produtos artesanais na segunda edição da Feira de Talentos da Semana do Trabalhador. Basta se inscrever até o dia 1º de maio no site da fundação.
A Semana do Trabalhador é realizada em comemoração ao Dia do Trabalho, celebrado em 1º de maio, com ações de saúde, atividade física, bem-estar e beleza. Neste ano será realizada entre os dias seis e dez de maio, no Hospital Municipal do Idoso, no Pinheirinho.
Mais informações pelo telefone 3316-5913 ou pelo e-mail O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo..
 

 

Feaes capacita multiplicadores para nova plataforma de gestão de escalas

Postado em Assessoria de Imprensa

 

Vai até a próxima segunda-feira (22), o cadastro de voluntários para atuarem como multiplicadores do Canal do Colaborador: o ambiente virtual, ligado à plataforma Sisqual, onde será feita toda a gestão de escalas e ponto dos funcionários.
“Nosso objetivo é capacitar funcionários de todas as unidades da Fundação para atuarem como replicadores do sistema”, explica a gerente assistencial Helena Rebelo.
Os multiplicadores serão referências em seus setores para auxiliar os colegas no acesso à plataforma e na operacionalização.


Os inscritos passarão por uma capacitação na próxima semana. Os treinamentos serão concentrados no Hospital Municipal do Idoso e também na Maternidade, com duração de 40 minutos.


Há vagas para as turmas nos turnos da manhã, tarde e noite. Os interessados devem entrar em contato pelos telefones 3316-5972 ou 3316-5933. Mais informações pelo e-mail O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo..
 

 

Pesquisa de bactérias reduz gasto com antibióticos de alto custo

Postado em Assessoria de Imprensa

 

Fotos:Anya Colman - A infectologista Francine Teixeira (à esquerda) e a farmacêutica Any Caroline Fernandes.

O Hospital Municipal do Idoso Zilda Arns economizou R$ 141 mil no ano passado ao poupar mais de 1,1 mil tratamentos com antibióticos de alto custo - sem qualquer prejuízo à saúde dos pacientes.

Isso foi possível porque a equipe do Setor de Controle de Infecção Hospitalar (SCIH) revisou o perfil microbiológico do local, ou seja: identificou as bactérias mais comuns nos pacientes e no próprio ambiente da unidade.

“O levantamento permitiu rever o protocolo de atendimento e buscar medicamentos mais eficientes e baratos”, conta a farmacêutica Any Caroline Fernandes. Foi a contratação dela que viabilizou a revisão ampla do perfil microbiológico do hospital.

“A Resolução 165, da Secretaria de Estado da Saúde, trouxe a exigência de um farmacêutico para hospitais com mais de 70 leitos”, lembra a enfermeira responsável pelo setor, Fernanda Chueire. Não havia este profissional no SCIH até maio de 2018.

Assim, Any se juntou à infectologista Francine Teixeira e ambas conduziram o levantamento que resultou em uma economia mensal de R$ 11,8 mil. Em média, segundo o SCIH, o hospital utiliza 12 mil frascos de antibióticos por mês.

A economia com os medicamentos de alto custo possibilita a compra de mais remédios para um número maior de pacientes sem prejudicar aqueles já sob tratamento contra infecções.

 

CTI do Hospital Municipal do Idoso recebe selo de qualidade

Postado em Assessoria de Imprensa

Foto: Fernanda Luvizotto
O uso da tecnologia e da informação para auxiliar a tomada de decisão médica e aumentar a segurança do paciente conferiu ao Centro de Terapia Intensiva (CTI) do Hospital Municipal do Idoso Zilda Arns o certificado de Gestão de Indicadores de Qualidade e Desempenho pela Associação de Medicina Intensiva Brasileira (Amib).
 
O selo é emitido depois que a associação avalia a gestão de indicadores, a qualidade dos dados fornecidos e o tempo de atualização dessa informação no prontuário eletrônico de 400 hospitais do Brasil.
 
“Conseguimos atingir 100% das informações preenchidas e em tempo hábil, com a inclusão de relatos médicos e de enfermagem”, explica a coordenadora do CTI, Rosane Kraus. São analisados dados como mortalidade, reinternação, tempo de permanência, infecções, eventos adversos.
 
Segundo a coordenadora, a vigilância em tempo real dos indicadores permite a identificação precoce de falhas e a revisão de procedimentos. Em fevereiro deste ano o indicador de infecção do trato urinário ficou em 7,79% (frente à meta de 5%).
 
“Assim que percebemos a alta do índice já iniciamos a discussão multiprofissional e a avaliação de medidas como a retirada precoce da sonda, observando a particularidade de cada caso”, disse Rosane. Já em março este índice baixou para 2,35%.
 
Os dados enviados para o sistema também contribuem para alimentar o Registro Nacional de Terapia Intensiva, do projeto UTIs brasileiras. Este banco de dados, considerado o maior da América Latina, revela o perfil epidemiológico das Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) do país e compartilha informações úteis para orientar políticas de saúde.
 
Referência
 
O Hospital Municipal do Idoso, 100% financiado pela Prefeitura de Curitiba, tem como meta tornar-se referência nacional e internacional na atenção à saúde do idoso, valorizando a qualidade e a segurança do paciente de forma humanizada.
 
Nos últimos anos, o hospital tem investido na gestão eficiente para que possa sempre fazer mais e melhor, especialmente com o aumento da demanda, provocada pelo envelhecimento da população. O resultado tem sido a ampliação de serviços para os curitibanos.

 

Com ajuda da realidade virtual, pacientes idosos revivem bons momentos

Postado em Assessoria de Imprensa

 

"Olha isso!". A aposentada Maria Rosa Lopes, 83 anos, se emociona com o passeio pela metrópole portuguesa. Ela revê as lojinhas, as casas antigas, os barcos no Rio Douro. Olhos marejados de alegria, a paciente do Hospital Municipal do Idoso retira os óculos de realidade virtual que a transportaram da cama da enfermaria para a cidade do Porto, em Portugal, onde passou férias com o marido há alguns anos. "Parecia que as minhas cunhadas estavam andando comigo", relata.

A experiência faz parte da terapia de reminiscências, uma iniciativa do enfermeiro Bruno Henrique de Mello que tem auxiliado no tratamento dos pacientes de longa permanência. "As imagens ajudam a lembrar bons momentos", conta Bruno.

Segundo ele, a terapia é um apoio para tornar o ambiente mais agradável e reduzir o risco dedelirium, quadro de confusão aguda comum em pacientes idosos de longa permanência. "Quando passam muito tempo longe de casa, eles podem ficar confusos e até agressivos. Com a imersão na realidade virtual, conseguimos melhorar o humor e quebrar a rotina hospitalar", diz o enfermeiro.

O uso dos óculos também faz com que os pacientes movimentem o pescoço para observar os cenários virtuais, uma atividade física leve, mas importante para eles.
Autorizado pelo hospital, Bruno usa o próprio equipamento nos pacientes. Mesmo em caráter experimental, o esforço do enfermeiro foi abraçado pela equipe do posto 4, onde trabalha. Ele pretende registrar os casos de reação ao uso de realidade virtual para atestar que trata-se de uma boa prática - vinculada à Secretaria Municipal da Saúde, a Fundação Estatal de Atenção Especializada em Saúde (Feaes), que administra o Hospital Municipal do Idoso, realiza um concurso anual que premia ideias como a de Bruno. A iniciativa dele conta com o apoio da coordenadora do setor de ensino e pesquisa da Feaes, Isabel Zanata.

À medida que os resultados surgirem, Bruno espera acrescentar novos estudos para propor à fundação que adquira mais óculos de realidade virtual para que a prática entre na rotina do hospital. "É o meu sonho", revela.

A terapia de reminiscência é muito utilizada em pacientes com demência. Estudos apontam que o tratamento possibilita uma continuidade entre passado e presente ao permitir que o paciente reviva experiências agradáveis, como conquistas profissionais e viagens em família. Ao se concentrar nos bons momentos, a terapia ajuda a pessoa a valorizar os ganhos e a minimizar as perdas.

O Hospital Municipal do Idoso, no Pinheirinho, é pioneiro no país no atendimento a pacientes com mais de 60 anos e referência no Sistema Único de Saúde (SUS), com 98% de satisfação dos usuários.
No mês de março, completou sete anos de funcionamento.
 

Foto: Anya Colman