Semana traz olhar integrado sobre o envelhecimento

Postado em Assessoria de Imprensa

Em comemoração ao Dia Mundial do Idoso (1º de outubro), a Fundação Estatal de Atenção Especializada de Saúde de Curitiba (Feaes) realiza, durante o mês de outubro, atividades voltadas à capacitação de profissionais na assistência à terceira idade e também atividades para a comunidade. O evento está sendo realizado em parceria com a Secretaria Municipal do Esporte Lazer e Juventude (Smelj), Fundação de Assistência Social (FAS), Fundação Cultural de Curitiba (FCC) e Administração da Regional do Pinheirinho.

“O objetivo é realizar um evento integrado e oferecer à população o maior número de atividades e serviços”, explica Eva Mereci Kendrick, que integra a comissão de organização da Semana do Idoso.

Eva conta que, no início, a ideia era realizar mais uma edição da Semana do Idoso do Hospital do Idoso Zilda Arns, mas o contato com os demais parceiros foi permitindo a elaboração de um evento mais amplo. “Toda a programação foi realizada em conjunto com as demais secretarias e setores envolvidos”, explica.

A abertura oficial do evento será na próxima quarta-feira (27), a partir das 14h30 no auditório do Hospital do  Idoso Zilda Arns e contará com a apresentação do Coral da Terceira Idade da Paraná Previdência.

Programação
Serão palestras sobre autoestima, domínio do equilíbrio, aulas abertas de Zumba, alongamento e ginástica funcional, além de diversas apresentações culturais distribuídos por vários pontos da cidade.

Entre os eventos voltados aos profissionais de saúde estão o Seminário de Cuidados Paliativos, a Jornada Interdisciplinar de Saúde do Idoso do Hospital do Idoso e o Simpósio de Fisioterapia da Feaes.  Para mais informações, confira a programação completa abaixo.


 

Seminário de Cuidados Paliativos abre Semana do Idoso

Postado em Assessoria de Imprensa

Aumentar o conforto e a qualidade de vida de pacientes idosos quando não há mais possibilidade de cura, respeitando as decisões do doente e dos familiares sobre o tratamento são abordagens que integram o modelo de cuidados paliativos na assistência à saúde. O assunto será tema de seminário no próximo sábado (23) – no auditório do Hospital do Idoso Zilda Arns (Hiza), no Pinheirinho – e abre a programação da Semana do Idoso.

“Não se trata de interromper o tratamento, mas desenvolver um plano de cuidados que atenda às vontades do paciente, com respeito e dignidade”, explica a diretora técnica do Hospital do Idoso, Cecília Neves Vasconcelos. “Se o desejo da família, por exemplo, é continuar o cuidado em casa, uma comissão multidisciplinar se reúne para possibilitar isso”, detalha.

No Hiza, as decisões são registradas em prontuário e os familiares assinam um documento de conformidade. “É importante que exista a uniformização da conduta em toda a rede para que da próxima vez que este paciente buscar o serviço de saúde, as decisões sejam estendidas para esse atendimento”, analisa Cecília.

A diretora conta que está sendo desenvolvida, junto com a Secretaria Municipal da Saúde, uma ferramenta que disponibilize a informação de que este paciente está em cuidados paliativos no e-Saúde [prontuário eletrônico municipal].

Durante o seminário serão discutidos os instrumentos de identificação dos pacientes no modelo de cuidados paliativos, bioética, além da apresentação do fluxo de decisões nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e o Hospital do Idoso.

O seminário tem vagas limitadas e é voltado aos funcionários da Secretaria Municipal da Saúde e da Fundação Estatal de Atenção Especializada em Saúde de Curitiba (Feaes). As inscrições são gratuitas e podem ser feitas no local, a partir das 8h30.


Semana do Idoso

Para comemorar o Dia Mundial do Idoso (1º de outubro), a Prefeitura de Curitiba realiza uma série de eventos voltados aos servidores e também à comunidade. Serão palestras sobre autoestima, domínio do equilíbrio, aulas abertas de Zumba, alongamento e ginástica funcional, além de diversas apresentações culturais.

As atividades estão sendo organizadas pela Feaes em parceria com a Secretaria Municipal da Saúde, Secretaria Municipal do Esporte Lazer e Juventude (Smelj), Fundação de Assistência Social (FAS), Fundação Cultural de Curitiba (FCC) e Administração da Regional do Pinheirinho.

Encontro reúne comunidade e especialista para debater Saúde Mental na Infância

Postado em Assessoria de Imprensa

O médico do Caps I Boa Vista, Thiago Kornelis Rebelo Borg, levantou questões sobre a medicalização da infância

Se o comportamento da Mônica, personagem de Maurício de Souza, fosse avaliado apenas em seu aspecto biológico, possivelmente a baixinha temperamental seria diagnosticada com Transtorno Opositivo Desafiador (TOD). Já o Charlie Brown, dono do cãozinho Snoopy, com seu perfil melancólico, seria portador de Transtorno Depressivo Recorrente.

Mas não há nenhum problema de saúde com as personagens: só serviram de exemplo para a psicanalista Rosa Mariotto alertar sobre como é fácil confundir um comportamento com um transtorno. Ela foi uma das palestrantes do 2º Caps Comunidade, realizado nesta sexta-feira (15/9), no auditório do Hospital do Idoso Zilda Arns, em que falou sobre “O lugar da infância na sociedade atual”.

Abordando o tema “Infância e Adolescência e a Saúde Mental”, o Caps Comunidade visa aproximar a população e comunidade médica, discutindo assuntos ligados à saúde mental e divulgar os trabalhor realizados nos Centros de Atenção Psicossocial de Curitiba. Na cidade, duas unidades – Boa Vista e Pinheirinho – fazem atendimento a crianças e adolescentes.

A mãe de uma paciente do Caps Pinheirinho relatou os avanços da filha depois que passou a contar com os serviços médicos e terapêuticos ofertados no Centro Psicossocial: “Ela começou a frequentar o Caps há sete anos. Agora está com 14 e só há pouco tempo foi definido o diagnóstico [autismo e esquizofrenia]. O acolhimento e o apoio que recebemos lá permitiram que aprendêssemos a evoluir junto com ela.”

Medicalização na infância - No encontro, o médico do Caps I Boa Vista, Thiago Kornelis Rebelo Borg, levantou questões sobre a medicalização da infância. Ele destacou que a criança o adolescente estão em momentos de transição, com grandes alterações morfológicas, metabólicas, hormonais, psicológicas e tendo de aprender a viver em um mundo cheio de regras sociais. E, por isso, é equivocado, quando esses indivíduos encontram dificuldades para lidar com o próprio desenvolvimento, atribuir apenas ao aspecto médico a resolução do diagnóstico.

“Hoje, medicamentos para transtornos como o TDAH [Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade] ainda carecem de estudos a longo prazo, ou estudos em meninas. Mas ainda assim devem ser usados, desde que associados a tratamento interprofissional, que abarca vários aspectos do ser humano”, explicou.

Feaes busca bolsistas para pesquisar em projeto premiado

Postado em Assessoria de Imprensa

A Fundação Estatal de Atenção Especializada em Saúde (Feaes) da Prefeitura abriu edital para seleção de dois bolsistas para atuar no projeto Melhor em Casa Curitiba - Transformando as Relações de Trabalho para uma Organização Tipo Cérebro, do Serviço de Atenção Domiciliar (SAD). Uma das bolsas é para atuar como preceptor pesquisador e outra, para preceptor estatístico.